25 June 2009

Poiesis ϵ autopoiesis

Suas letras não explodem.
sons que representam sem, deveras, existir.
Não queira dar a elas suas toneladas desnecessárias,
letras são mais levesalegres quando não são,
quando deixam de ser.

Fluir pensamentos vagos, através do nada, navegantes.
extrair do peso do trovão a sutileza da luz
esquecer rimas e métrica, se esquecer
fazer uma descombinação insossa.
Desfazer-se!

Não queira a direção, dar sentido aos sentidos
Aliás, não queira nada, nada, assim é melhor!
Digite aleatoriamente, sorteie letras de um saco escuro,
escreva suas palavras ao acaso num canto de papel.
Depois tente combinar tudo isso,
análises combinatórias poderão lhe ajudar!
[(P!+ermo/x-tempo!)]/linda^2=
-funções de aleatorização,
Não se esqueça de recorrer aos jogos da TV -chougueimes-

A toda essa desordem essa desconstrução
nunca deixe de tratar do belo, do bucólico, por quê não(?)
do que azeda.
Talvez seja isso a poesia,talvez...
Uma tradução de nadas um sentido sem sentido,
porém leve, leve, leve!
Beleza e o bucolismo a azedar.

Para o amigo que descobriu o autoexorcismo por meio de letras

No comments: