11 October 2007

Bytepoesis


[INÍCIO]Semespaçossemsonssemrisossemrimassemnadasóvaziosóamentetintaepapelummontedeletras
Cemespaçoscemsonscemsorrisoscemrimasnadasemsemvaziomaisquetintapapeleummontedeletras
Presençaausenciaumezerozeroeumumezerozeroeumumumzerozerozeroeum
00110001 00110000 00110000 00001101 00001010 00001101 00001010espaços +00110001 00110000 00110000 00001101 00001010 00001101 00001010sons+00110001 00110000 00110000 00001101 00001010 00001101 00001010sorrizos+00110001 00110000 00110000 00001101 00001010 00001101 00001010rimaspreenchemumvazio[SE ENTÃO = FIM]

20 September 2007

Ai, caí!

Distância cresce
esvaecem-se letras
seguem amores

17 August 2007

Jogos


E as contas irão vencer novamente, mesmo que sem os vencimentos!
Na verdade, de um tempo pra cá estão invictas.
-falta aquele velho e bom espírito esportivo.
Dêem, logo, as medalhas a elas!
(Lá vem uma toalha no ar).

20 July 2007

Rosa e o mar

Tarde era para chorar,
enquanto ele escrevia
Sentia ainda cheiro de Rosa...
- rimava Mar ia...

11 June 2007

Poesia Adolescente

No Japão, suicídio
Aqui uma risada sarcástica,
um copo de uísque na mão,
deboches,
sem a mínima pretensão suicida.

Na Alemanha, manifestações nada pacíficas
Aqui uma passividade que pasma, nada muda.
Uma sensação de aconchego...
Até que um menino é arrastado.
Lágrimas, subseqüente esquecimento, aconchego.

Na Argentina adoram livros
Aqui, mal se consegue ler o próprio nome
Não há mal que a Tv não cure! Lêem-se legendas
Enquanto os homens de farras, com suas prostitutas, negociam elevado capital.
Nasce a massa.

Tres vivas a este chiqueiro Orwelliano
Viva, viva e viva!

16 May 2007

Doce

Cozinhe minha alma, mande-a ao inferno(,)
nesse fogo de tuas entranhas
Provoque o pecador, o pecado, sangra-lhe a carne,
suga-lhe o sangue
Mostre seus lábios, ofereça o beijo,
arranca-lhe a língua

Causa-me o desejo, toma-me o doce
“Quem sou eu frente a esse demônio?

04 April 2007

04/04


Pessoal, me desculpem, mas hoje eu me permito:

-Shine on you crazy diamond"
-Who was only a stranger at home
-But you believe at heart everyone's a killer
-Just another sad old man all alone and dying of cancer
-Did they expect us to treat them with any respect?
-There is someone in my head but is not me!
-I See you on the dark side of the moon
-And everything under the sun is in tune
But the sun is eclipsed by the moon.


Do you Ubuntu?

15 March 2007

Polis Confusão

Entrando em minha página personalizada do Google me deparo com a seguinte manchete do joranal Gazeta do Sul: “Collor estréia hoje no Senado e questiona impeachment” (http://www.gazetadosul.com.br/default.php?arquivo=_ultimas.php&intIdUltimaNoticia=41645). Em meio ao texto surge um trecho, que se fosse lido em 1989 causaria certa estranheza:
“Integrante da base governista de Lula, Collor é só elogios ao presidente, seu adversário na disputa de 1989. “Se eu batesse no Lula, estaria contrariando parcela do meu eleitorado. Mas estou apoiando Lula porque tenho convicção de que está realizando um bom governo. Os números da economia e da área social falam por si. O presidente Lula tem apoio da parcela mais sofrida da população e tem também o apoio e respeito das elites, apoio este que eu não tive durante meu governo.””

Os mais fervorosos defensores tentariam me explicar o acontecido como sendo uma manobra necessária para garantir a governabilidade, como se essa fosse a única forma de realmente garanti-la. Fato é que dá pra ficar louco, com a massa cinzenta misturada na cabeça como se fosse uma boa vitamina de abacates ao tentar entender os processos políticos...
Claro que hoje não é mais 1989! Os tempos mudam os homens mudam e seus ideais são diluídos em concentrações inferiores a 0,00001%. Lula, o ex-esquerdista, conta agora com o apoio de Fernando Collor que não tem nada de “ex”. ]

Tudo bem, não vou tentar entender mais nada, desisto! Prefiro acreditar naquilo que dizem os fervorosos, aqueles que antes vestiam suas camisas com a estampa de Che: No atual contexto loucos mesmo são Hugo Chávez e Heloisa Elena.

05 March 2007

Àtoa


Um dia chega ela
fingindo ser descoladinha
e estranha a reação:
sem motivo tomo um trago que me arranha a garganta.
-Somos pequenas partículas no interminável universo,
frutos do acaso.

Se não há razão para existir, menina,
tudo é àtoa!

14 February 2007

Carta 01

Com a teimosia dos ventos ao seu lado caminha para a distante terra.
A brisa sopra também seus pensamentos, mas não acalma.
O sol agora alto, companheiro, insiste em aquecer teus giros
Que quase em pane param enquanto, passo a passo, segues.

Não trouxe sossego à alma aquele alento, tampouco o beijo, o abraço.
Achou que te acompanharia em pensamento,
que embora longínquo ficasse lhe aqueceria o peito.
Mas foi intensa combustão em substrato escasso.

Esqueça desse sol nefasto, desta torpe brisa,
daquelas curvas, daquele cheiro...
Do tropeço, do calo, da ferida.
Daquilo que lhe acaba a vida!


Carta ao amigo que agora parte

28 January 2007

Primeira publicação

Fico aqui pensando no que levaria uma pessoa em sã consciência a querer, em meio a tantas outras atribulações, escrever um “Blog” -não sei se devo ou não manter as áspas! Este pensamento é mais fortemente abastecido de dúvidas quando se lê a indagação de Ivan: “a Net é 95% feita por tolos para 98% de bobalhões”! (Veja em:www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/ story/2007/01/070103_ivan_lessa_crg.shtml) Então, porque estou aqui, tolo, escrevendo? Não sei se realmente quero que um dos 98% dos bobalhões ou um dos ínfimos 2% não bobalhões, leiam as coisas que, vez ou outra vou publicar aqui! Na verdade acho que esse espaço funcionará como um depósito de minhas indagações, algo como um psicólogo virtual, e de minhas idéias. É a maravilha da tecnologia contribuindo, enquanto durarem os bites, com a perpetuação de pseudo-produção intelectualóide para “intelectuístas”. Mas pode ser também algo como a virtualização daqueles velhos e bons papos de butecos onde se discute com profunda seriedade da conjuntura política mundial à possibilidade de alçarmos vôo em direção a conquistas de novos planetas.

Latrinogênese
Etmologia: latrina (vaso sanitário)+ gênese (origem, criação); Faz menção ao berço e a qualidade da produção depositária neste espaço virtual.

Abraços a todos!