14 February 2008

Agonia (poesia amorfa) - Dos tempos das confusões

Quão rapidamente se dilui,
Quão profundo corte em carne azeda...
Quem (o que) você era?

Quão rapidamente se dilui...

Escorria em minhas têmporas
Causava-me suspiros
era o mal... divino...
um surto...

Embora com sequelas
-o corte lembra?- agora percebo
Que não era fino vinho
acre vinagre azedo,
que vomitava em minha boca

Quão rapidamente se dilui:
“Queria não tivesse vindo...
Quão profundo corte:
“Entalhava em mim seu gosto.
Quem (o que) você era:
“apenas mal grado delírio.
“a sedutora forma do diabo.

1 comment:

Anonymous said...

bom comeco